BOAS VINDAS

Benvindos a este espaço! Esta é uma página estritamente familiar, aberta a todos aqueles, familiares ou não, que de alguma forma queiram contribuir com o que sabem e conhecem ou simplesmente tenham meras curiosidades e questões que pretendam levantar. Tudo o que diga respeito ou se relacione com a família do meu pai ou da minha mãe, será sempre objecto da minha atenção.

sábado, 5 de maio de 2007

JANTAR DOS HERDEIROS DO 6º VISCONDE DE ASSECA

Convite para o Jantar.
Na capa do Convite, o brazão das 3 famílias envolvidas
"E foi assim que tudo aconteceu", como dizia a minha avó.
De facto, no dia 23 de Setembro de 1978, realizou-se no Salão de Festas do Hotel Tivoli, na Avenida da Liberdade, nº 165, em Lisboa, um jantar (a que chamaram banquete) com todos os herdeiros do 6º Visconde de Asseca, António Maria Correia de Sá e Benevides Velasco da Câmara e de sua esposa, D. Rita Castelo Branco.
Serviu este jantar para entregar a cada herdeiro um exemplar da árvore genealógica
Ao lado, os cartões de visitas dos advogados brasileiros encarregues de tratar da questão pertencentes à Organização Nildo Martini: Archimedes Pellizer, Edilson Soares e o próprio Nildo Martini de Barros








13 comentários:

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Caro Amigo

Será que este é um dos 3 advogados envolvidos nesta herança?

http://www.edilsonsoares.com.br/

Um abc

JTMB

Francisco disse...

José Tomaz

Não me admira nada que estejamos a falar da mesma pessoa. De facto o escritório já não é o mesmo mas também já se passaram 30 anos.
Contudo, se verificarmos, uma das Especialidades que ele apresenta como sendo um expert é ... "Família" .
Deve andar a enganar por outro lado ...

Um abraço

Fulwell Park - Exilio disse...

Estando empenhado numa trilogia dramática subordinada à temática da saudade, e revelando-se importante para a densidade das personagens da segunda peça "O Crepúsculo de Fulwell-Park" vinha perguntar-vos, se será possível fornecer-me alguns elementos sobre os Viscondes de Asseca que estiveram presentes no casamento de D. Manuel II.
Grato pela atenção,
António Jorge Cândido

Francisco disse...

Lamentavelmente não tenho qualquer dado que possa ser uma ajuda.
Se vier a recolher alguma coisa de registo, fica a promessa dessa colaboração.
Cumprimentos
FTH

Fulwell Park - Exilio disse...

Caro Francisco TH

Agradeço a gentileza da sua resposta. Tb estou à espera de eventuais novos elementos para o meu trabalho dramatúrgico mediante novos contactos q tenho estabelecido. Não sei se entenderá ser de interesse divulgar posteriormente no seu "Ex-Libris" pequenas estórias que estejam relacionadas com os Viscondes de Asseca, presentes no casamento do Rei D. Manuel II em Sigmaringen.
Cumprimentos,
António Cândido

Fulwell Park - Exilio disse...

Deixo aqui o meu e-mail apinelacandido@gmail.com perante a expectativa, se o desejar, e na primitiva eventualidade de não possuir essa informação, de fornecer-lhe os elementos que já disponho sobre os Viscondes de Asseca que acompanharam o Rei D. Manuel II e a Rainha-Mãe Dona Amélia, em Abercorn House e mais tarde em Fulwell Park.

Mais uma vez grato pela atenção
AJC

Francisco disse...

Caríssimo António Cândido
Vários têm sido os contactos a manifestar interesse em perceber o que rodeia e rodeou os Viscondes de Asseca.
Confesso que por incapacidade umas vezes, outras por falta de tempo, não tenho a possibilidade que gostaria de ter para ajudar.
Obviamente que, pela minha parte, não apenas reconheço todo o interesse e contributo que possa dar ao desenvolvimento de qualquer questão ligada a esta ou a outras como até, lhe quero manifestar a minha inteira disponibilidade para poder utilizar particularmente e divulgar algum dado que eventualmente possa ter encontrado por aqui e que lhe interesse nos seus trabalhos.
Creio que é nesta partilha que conseguiremos não fazer história mas repor alguma história perdida.
E como sabe, a história também é feita de estórias.
Agradeço-lhe a sua abertura e creia-me perfeitamente disponivel, dentro das limitações que tenho, para poder colabora no mesmo espírito aberto consigo ou com quem se mostrar interessado nestas questões.
Cumprimentos e um agradecimento sentido
Francisco Teixeira Homem

Marco Pellizer disse...

Meu nome e Marco Pellizer neto de um dos advogados. Meu avô um homem digno, culto e honesto que acabou se envolvendo com Nildo Martini. Nildo não via obstáculos na sua ganância financeira. Meu avó faleceu em decorrência da idade em 1993. Nildo Martini foi brutalmente assassinado em 1992 com requintes de crueldade, segundo a policia o crime foi por vingança. Já Edilson!! nunca mais ouvi falar dele.

abraços.

Manuel disse...

O meu nome é Cláudia Soares de Sá Carneiro e Correia de Sá pertenço aos Correias de Sá de S.Fins ,tenho em minha posse um pergaminho muito antigo que tem passado de geração para geração onde conta uma grande parte da minha história desde 1710.
Onde Francisco Corrêa de Sá irmão de Theodisio Corrêa Gomes eram linhagem dos Viscondes da Ponte de Asseca.
Por acaso introduzi visconde Asseca e fui parar ao seu blogge,Parabens .
Cláudia Correia de Sá

allan santos disse...

tenho fotos das casas aqui existentes(RIO DE JANEIRO) que pertenciam (ou pertence)a familia ASSECA (bairro de jacarepagua) entre em contato se te enteressar! meu orkut:http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=6805048182206785605

Juan disse...

Bom dia. Estando a preparar um livro sobre a acção terroista em Lisboa, por parte de anarquistas pré-republicanos, alguém poderá fornecer informações sobre o atentado à residência dos Viscondes de Asseca no dia 12 de Fevereiro de 1892, que não causando vítimas causou estragos no edifício? Bem-hajam. director@museuarqueologicofundao.com

Eduardo Mazzi disse...

Boa tarde, eu sou arquiteto e estou fazendo uma pesquisa história da evolução da Barra da TIjuca, e constatei que houve um acordo entre Visconde de Asseca e o Mosteiro de São Bento, por volta de 1773, que resultou em uma planta que definiu os limites da Barra da Tijuca como conhecemos hoje. Seria possível ter acesso aos termos deste acordo? Esta planta, estaria nos arquivos da família alguma cópia? Agradeço muito qualquer ajuda. Atenciosamente, Eduardo Mazzi - arquiteto - eduardomazzi@live.com

Francisco disse...

Olá Eduardo, lamentavelmente não poderei ajudá-lo nessa sua pesquisa pois não tenho quaiquer dados sobre a questão levantada nem a conheço.
Não sei se algum dos herdeiros (são imensos) que aqui venha ler este seu comentário o possa ajudar.
Já experimentou o escritório de advogados que tratou deste caso e que são aí do Brasil?
Francisco